Se para quem tem a responsabilidade de conduzir os treinamentos à distância os obstáculos são grandes, imagine para quem vai sofrer na pele as consequências desse processo. Os goleiros precisam desenvolver ainda mais outras valências que a peculiaridade da função exige.

“Nessa parada ficamos mais lentos. Sua cabeça não está na mesma velocidade de antes, e por isso vai nos prejudicar, fisicamente e psicologicamente. Espero voltar logo a quadra para tirar um pouco dessa ferrugem que está já aqui”, admite Gian Wolverine, goleiro da ACBF.

Na carona do colega, Deivid, goleiro do Campo Mourão e um dos melhores da posição na temporada passada reconhece que o desafio será grande na volta às quadras. E até que esse momento chegue, o que é uma incerteza para todos, o jeito é suar a camisa e as luvas.

“Com essa parada não conseguimos manter um ritmo que vínhamos trabalhando, acabamos pendendo tudo o que nós goleiros precisamos, reflexo, agilidade, velocidade e reação. Por mais que tentamos manter, é difícil por não ter um espaço apropriado, eu mesmo estou treinando em um campo de futebol que fica afastado para tentar manter um ritmo e contato com a bola. Os jogadores de linha por mais que percam também, ainda têm uma última opção que somos nós goleiros quando eles erram”, desabafa.

Retomar o controle das defesas usando as mãos não é o suficiente para a ingrata missão e defender um gol no futsal. Como se não bastasse, recuperar o tempo perdido com a bola longe dos pés é algo que está no horizonte de quem hoje assumiu também essa responsabilidade.

“Acredito que hoje é fundamental e muito importante o goleiro ter essa característica, aprimorar o jogo com os pés”, adianta o experiente goleiro Velloso, da Intelli Tempersul.

O início da LNF segue suspenso por tempo indeterminado por conta da pandemia do coronavírus e nossos profissionais seguem inovando para manter os treinamentos durante esse período. Na semana que vem traremos uma matéria especial desses profissionais contando uma pouco sobre a evolução da posição com o passar dos anos.